07 outubro 2014

Longe de tudo, longe de todos. Ouço o chamado como se fosse ontem. Uma tristeza.

28 setembro 2014

Dias corridos

Sumi. Passei as duas últimas semanas com a rotina tão corrida (dia após dia) que não parei para postar no blog. Tem sido um pouco complicado achar tempo+disposição+ideia para postar aqui. Até porque de segunda a sexta passo o dia na universidade. Quando chego a noite em casa costumo falar com familiares e amigos. Então... durmo, acordo e recomeça outro dia do mesmo jeito. Aos finais de semana tento conhecer cada vez mais um pouco da cidade e socializar com os colegas/conhecidos. Acaba sendo difícil postar com frequência. Mas cá estou eu aqui. 

Mudando de assunto... Hoje é a estréia da quarta temporada de Once Upon a Time. Tivemos que esperar um bocadinho, mas vendo "hoje" não parece que foi tanto tempo. Afinal, os dias correm e daqui a pouco já estaremos em Dezembro! É impressionante como consigo lembrar do final de ano de 2013/2014 como se fosse ONTEM (literalmente)! Em relação a esse tipo de coisa tem algo que eu acho muito curioso. Por exemplo, se você pensar em dois pontos (eventos), cada um em um ponto "distante" no tempo, vai acabar achando que passou tudo muito rápido. Olhar apenas o início e fim dá essa impressão. Mas aí se você pensar no que aconteceu, em todos os eventos, que estão localizados nesse meio tempo vai acabar concluindo que MUITA coisa aconteceu e que a sensação de tempo rápido é apenas uma ilusão da boa memória. 

Enfim, por hoje é só. Espero aparecer por aqui mais vezes. Boa semana pra todos!

11 setembro 2014

Primeiras impressões (PhD)

Olá, povo da internet!

Estou no final da minha primeira semana na Universidade de Utrecht e resolvi tecer alguns comentários a respeito. Como comentei em posts anteriores, estou cursando doutorado na instituição através do programa do governo federal Ciências sem Fronteiras. Acho que muitos de vocês já devem ter ouvido falar a respeito, até porque é um programa bastante popular. Não posso falar de como funciona na graduação, porque quando cursei a minha ainda não tinham criado o programa, logo não participei. Então, vou falar um pouco da minha experiência como aluna de pós-graduação.

Primeiro, eu realmente gostaria de agradecer o governo por esta oportunidade única. Quem não é do meio acadêmico pode não compreender muito bem minha gratidão, por isso vou ser mais explícita. Tive experiência de fazer meu mestrado numa instituição brasileira e desse modo posso fazer algumas comparações. É importante enfatizar que não conheço todas as instituições do nosso país. Então, não sei se as demais são do mesmo jeito. Mas, desanimei muito com a pós-graduação que fiz no Brasil. O ambiente não era dos melhores para quem almejava um trabalho mais sério. Houveram muitas dificuldades que não diziam respeito a pesquisa científica propriamente. Tanto que eu tinha certeza de que se quisesse continuar na física precisava mudar de ares. 

Cheguei em Utrecht sem conhecer muito, mas almejando algo diferente. Foi exatamente o que encontrei. Um ambiente bem mais propício para produção científica. Não que no Brasil não exista ambiente como tal. Só acho que a maneira com que os estudantes de pós-graduação (especialmente os de doutorado) entendem o trabalho é diferente. Por exemplo, o fato de no Brasil sermos considerados "estudantes" aparentemente deixa a situação de ser doutorando mais desleixada, como se não fosse um profissional capacitado. Claro que este é um momento de muito aprendizado. Entretanto, ser visto como profissional, ainda que assistente, deixa evidente a responsabilidade que é ser um doutorando. O ritmo de trabalho é como qualquer outro profissional.

Espero que a minha estadia aqui seja bastante proveitosa e que eu volte com um bom currículo para o Brasil. Como disse, é uma oportunidade única que deve ser utilizada com bastante responsabilidade, afinal, o governo está investindo em nós. 

06 setembro 2014

Uma semana

Olá povo da internet. 

Após uma semana eu resolvi voltar a escrever. Muita coisa aconteceu nos últimos dias (tanto boa quanto ruim) e agora eu acredito que tenho condições emocionais para comentar brevemente sobre. Comentei em posts passados que estava passando por uma situação chata de espera pelo visto para enfim embarcar para a Holanda. Pois é.

Há uma semana meu namoro acabou (por motivos que não vou discorrer). Foi muito difícil, muito mesmo. Por isso fiquei esses dias todos sem postar nada. Não que hoje não seja, mas eu já aceitei a condição. Então, bola pra frente.

Nesse meio tempo eu não sabia se embarcaria na data que havia comprado a passagem. Porque nas minhas contas o visto demorou mais para chegar do que o prazo que deram. Então, para quem deseja viajar para cá (não sei como é nos outros países) e solicitou o visto MVV na embaixada etc. certifique-se de ter pelo menos uns 20 dias úteis da data em que você deixar os documentos para serem processados. Evita ansiedade e dor de cabeça.

Enfim, meu visto chegou exatamente no dia da viagem (que alegria), agora dia 4. Logo, hoje estou escrevendo de Utrecht. Acho que a mudança para cá, um novo estilo de vida vão me ajudar a lidar com esses momentos ruins de maneira positiva. Infelizmente, nem sempre podemos ter o controle de tudo e eu espero realmente ter uma boa estadia nessa cidade linda. 

Até breve!

30 agosto 2014

Um ciclo que se fecha

Sem pretensões deixamos que outra pessoa nos toque e mostre que a vida não precisa ser tão difícil. Eu gostaria de poder e saber o que escrever agora, mas acho que preciso de mais alguns dias...

Que horas são?!


Fazia um algum tempo que não via graça nos atuais desenhos (exemplo: Ben 10, muito sem graça). Mas aí eu conheci Hora de Aventura. Talvez um dos desenhos mais loucos de todos os tempos. Sério! Tem uns episódios tão sem noção que você acaba se deixando levar pela viagem. É bem divertido. 

Os protagonistas das aventuras mirabolantes são Finn,o humano, e Jake, o cachorro que fala - embora até um biscoito nessa terra maluca fale.


Além dos principais, encontramos princesas diversas: Caroço, Jujuba, de Fogo, Gosminha e por aí vai. Finn e Jake tem um amigo video game chamado Beemo e vivem numa espécie de casa da árvore. 

A história se passa num período pós-apocalíptico. Finn foi criado pelos pais de Jake (só para vocês terem noção da loucura, rs). É uma espécie de Mogli, será? O menino cão?! De toda forma, os dois, humano e cachorro, vivem muitas aventuras salvando princesas do Rei Gelado (antagonista) e ajudando reinos amigos. As histórias são bem criativas e às vezes você pode se surpreender com os personagens e suas ações. 

Para finalizar deixo para vocês uma das canções de um dos episódios:



Ps.: Cuidado para o seu cérebro não derreter. (Brincadeira)

29 agosto 2014

Sobre vampiros: The Strain

Você gosta de vampiros? Gosta de histórias de ficção científica? Por que não juntar as duas coisas, certo? Isso é o que a série da FX The Strain faz. 

Ontem assisti o último episódio lançado (S01E07). NOOOOOOSSA! Fiquei o episódio inteiro na expectativa do que poderia acontecer. Meio que uma tensão tomou conta de mim. Você fica torcendo para que alguns personagens consigam se salvar, mesmo que você tenha apenas acabado de conhecê-los. Acho que é aquela coisa de querer se pôr no lugar do outro e ficar angustiado. Não sei quantos episódios vão ser na primeira temporada, mas a história parece estar esquentando. Coisas começam a acontecer valendo! 

Para quem nunca ouviu falar, vou dar uma ajudinha com o trailer:



Em poucas palavras: o seriado começa com um acidente aéreo. Ninguém sabe o motivo. Quando notam que o avião pousou mas não há sinal de ninguém da aeronave, as pessoas começam a ficar preocupadas. Elas nem imaginam o que está para acontecer.

Assistam o trailer e vejam se simpatizam com o enredo. Para quem curte filme de terror é interessante também!

26 agosto 2014

Enquanto o Halloween não chega...

Vou comentar um pouco sobre a festa que fizemos (eu, amigos e namorado) ano passado. Primeiramente, devo confessar que adoro trabalhar com decoração de festa e trabalhar minha criatividade. Acho que consigo até ter uma boa visão para transformar coisas do papel em realidade. Tanto que o que era para ser uma noite simples com comida e filmes de terror, acabou numa decoração para chamar a atenção dos vizinhos no condomínio. Foi bem legal, aliás!


No lado de casa tem um espaço de garagem a céu aberto. Então, resolvemos criar um mini cemitério e com algumas abóboras acesas. Todo dia após anoitecer, durante uma semana, acendi tais abóboras, o que acabou se tornando um atrativo para as pessoas passarem pela frente da minha casa. 


No terraço colocamos um caldeirão de doces, como vocês podem observar. Um pouco de musgo seco, velas e olhos de isopor. O aspecto ficou bem interessante!


Essas duas fotos acima são da mesa: a primeira com a luz vermelha (trocamos a lâmpada para ficar mais interessante), já a segunda é uma luz normal branca. Fiz o bolo e decorei com pasta americana. Comprei aquela branca mesmo e os corantes para misturar. Como foi a primeira vez que trabalhei com essa pasta até que o resultado não ficou ruim. 


O espaço principal (mesa/doces) ficou assim. E mais...


A primeira foto é da porta. Fizemos uma teia de aranha, como podem ver. E a segunda é um dos móveis da sala decorado com doces, pernas de bruxa e chapéu. 


No terraço também fizemos decoração no teto. Alguns fantasmas pendurados, aranhas e abóboras coladas na parede. Nosso Halloween ano passado foi mais ou menos assim. Há outras imagens também, porém reservo-me a postar apenas essas aí, porque senão o post iria ficar maior do que já está. 

24 agosto 2014

40ª Corrida Duque de Caxias (Recife)


Hoje às 7h30 da manhã deu-se a largada da 40ª Corrida Duque de Caxias na cidade de Recife. O percurso de 8km começava no 2º Jardim localizado na av. Boa viagem e seguia até o Forte do Brum. Essa corrida foi muito importante para mim, pois não competia desde a meia maratona do Sesc em Belém no início de dezembro do ano passado. Mudei-me para Recife e nos momentos em tentei participar de alguma corrida de rua (no primeiro semestre) sempre acontecia alguma coisa contra. Mas estou feliz em estar competindo de volta. É muito mais animador para os treinos diários. Você estipula metas e a corrida se torna um desafio.
E que venham as próximas corridas!

23 agosto 2014

Ansiedade

Sabe quando o tempo vai passando e você finge que não vê? É mais ou menos o que está acontecendo comigo agora. O tempo vai passando e eu continuo aguardando pela chegada do visto. O mais interessante em tudo isso é que o tempo de espera parece eterno, mas não é. Sinto que no momento em que eu puser as mãos  no passaporte vou sentir o peso da viagem todo em minhas costas. Aí... É provável que eu surte um pouco com a organização da mala etc. Até porque entre a chegada do passaporte e a viagem não vai demorar muito mais do que alguns dias.

Para quem não sabe, fui selecionada no programa do governo federal Ciências Sem Fronteiras para realizar o doutorado no exterior, mais precisamente na Holanda. Minhas atividades começam agora em Setembro e devo passar os próximos quatro anos por lá (período da bolsa). Sou bacharel em Física com mestrado em física teórica. Quem tem interesse de participar do programa basta entrar no site e verificar os pré-requisitos para se candidatar.

Acho que a ansiedade propriamente vem do fato de você se mudar para um país desconhecido. Ou seja,  não é só o famoso "está tudo por sua conta", tem o adicional "se der alguma coisa errada, sua família não tem muito como ajudar". É longe, ponto. Eu já tive a experiência de morar sozinha durante o meu mestrado. Não achei ruim. Mas é claro que você passa por um período de adaptação. Gosto muito de ficar sozinha, então não sofri horrores. Você se acostuma com a independência e isso é muito bom.

De qualquer maneira, já estou aguardando pelo surto daqui há alguns dias...

Séries que assisto

Olá, povo da internet!

Hoje resolvi comentar um pouco sobre as séries que assisto. Pensei primeiro em escrever no título "séries preferidas". Mas é um pouco injusto ficar qualificando como "A" melhor ou pior se elas tratam de temas diferentes. Voltando ao que importa! Considero-me uma pessoa que até assiste bastante série. Claro que não consigo acompanhar todas no momento em que estão passando. Então acontece que eu espero algumas temporadas acabarem para ver tudo junto de uma só vez. Melhor do que eu me perder durante o período de exibição (e isso costuma acontecer).

Segue minha listinha abaixo:


Once Upon a Time
Sou muito fã da Rainha Má. Acho que a Lana Parrilla é uma excelente atriz e em três temporadas foi capaz de mostrar uma grande evolução da personagem. Arrisco a dizer que se por um acaso a personagem deixasse o seriado eu provavelmente não assistiria mais.


Da Vinci's Demons
Para quem gosta de história, acho uma boa pedida. Além de retratar um pouco da história do famoso Leonardo Da Vinci, o seriado tem uma pitada de ficção que envolve até a ideia de sociedades secretas. É um seriado pequeno (média de 8-10 episódios por temporada). Já está indo para terceira temporada.


Orphan Black
Fui surpreendida pela história. Quando experimentei assistir foi de maneira bem despretensiosa. Estava deitada no sofá procurando o que assistir no Netflix e foi então que encontrei a primeira temporada. Fantástica! Para quem curte ficção científica e o tema da clonagem humana.Também com duas temporadas e indo para terceira.


Bates Motel
Baseada no clássico Psicose de Hitchcock. A história conta como seria a vida do Norman Bates antes de Psicose e a sua relação doentia com sua mãe, Norma.


22 agosto 2014

Vienna, Billy Joel.

Se eu pudesse resumir muito de mim numa só música ela seria Vienna.




Apenas sinta a música. Sem mais comentários.

21 agosto 2014

Desafio: 642.1 - A moça

Com os olhos vidrados na tela do notebook a moça arriscava palavras sobre si. Numa espécie de autoanálise mental. Ela mordia os lábios internamente e tentava se descrever. Não era muito difícil, pois a mesma tinha traços um tanto marcantes. Seus cabelos eram ruivos, de nascença, que poderiam parecer loiros dourados dependendo da iluminação. Eles estavam um pouco abaixo da altura dos ombros. Já os seus olhos eram verdes, num tom médio. Tinha pela branca, um branco meio amarelado e muitas sardas. Sardas que se espalhavam pelo corpo. Para se ter uma noção, no cotovelo haviam mais de setenta sinais, a maioria deles miúdos. A moça ainda contava com duas marcas artísticas no corpo conhecidas como tatuagens. Seu apreço pela arte tornava as tatuagens ainda mais especiais. Sua altura não passava de um metro e sessenta, mas isso nunca foi um problema para ela. Além, é claro, de ficar ausente dos times de basquete e vôlei nos tempos de colégio. Mas ela não ligava, tinha desenvolvido interesses diversos. 

*****

Conheça o desafio642 coisas sobre as quais escrever.

16 agosto 2014

O mágico de Oz - Livro (Spoilers)


 Pela primeira vez li “O mágico de Oz”! O livro conta a história de uma garota chamada Dorothy que foi levada do Kansas, através ciclone, a um mundo por ela desconhecido. A narrativa em terceira pessoa relata a aventura da garotinha e seu cachorrinho Totó, neste mundo mágico e totalmente novo, em busca de um meio para voltar para casa (no Kansas) onde morava com seus tios – tio Henry e tia Em.

Mundialmente conhecido, o livro de L. Frank Baum é comparado à aventura da pequena Alice (do país das maravilhas). Existem vários elementos “sem noção“ na história, mas é aí que a criatividade e originalidade afloram. É um livro infantil, a meu ver, mas que todos os adultos deveriam ler. Traz lições muito importantes para as crianças que ainda estão em fase de construção e consolidação de valores.

No meio da aventura encontramos personagens singulares: um espantalho, um lenhador de lata e um leão covarde. Cada um deles acompanha Dorothy em sua jornada até o incrível e majestoso mágico de Oz, na cidade das esmeraldas, com a esperança de obter o que tanto almejam para sua vida. O espantalho infeliz por sentir-se burro anseia conseguir um cérebro que possa proporcioná-lo a inteligência dos homens. O lenhador, uma vez homem, castigado pela Bruxa Má do Leste - por se apaixonar por uma moça - foi transformado aos poucos em lata, e deseja um coração para que possa amar novamente. Já o leão, triste por ser covarde e não saber impor-se na floresta como o Rei dos animais, mais do que tudo, quer coragem para assim governar os animais.

15 agosto 2014

Brasília e Maratona adiada

Olá povo da internet!

Cheguei ontem de viagem de Brasília. Finalmente está terminando o processo para obtenção do visto holandês! Não comentei sobre até então, mas fui agraciada pelo programa Ciências Sem Fronteiras com uma bolsa de doutorado numa universidade holandesa e minhas atividades começam agora em Setembro. O processo todo foi demorado e estressante. Não acho que todos os países sejam tão burocráticos quanto a Holanda. Enfim... O último passo era deixar o passaporte na embaixada, e já que resido em Recife, precisei viajar para Brasília. Ossos do ofício. 

Felizmente, quando cheguei lá e fui atendida, o processo foi super rápido e prático. Coletaram as impressões digitais e deixei os documentos requisitados. Pronto! Agora só esperar o passaporte retornar. Nesse tempo tivemos a informação sobre o falecimento do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Num primeiro momento achei que fosse trote do meu primo. Tão repentino e trágico. 

Este tipo de evento só me recorda o quão frágil é nossa existência. Devido o luto de Recife, a corrida que eu iria participar foi adiada. Também não havia comentado sobre ela aqui. Estive treinando nas últimas semanas para participar, porém o novo dia previsto para a mesma será num final de semana que eu já espero estar na Holanda. Afinal, preciso viajar. A maratona terá que ficar para uma outra vez...


10 agosto 2014

Mais e mais do mesmo!

Tenho visto o surgimento de muitos blogs nos últimos 10 anos. Uma coisa que me fez refletir sobre o conteúdo dos mesmos. Há tanto do mesmo nesse "mercado" que fico imaginando como são feitas as seleções de qualidade do material que é disseminado na rede. Perco até o ânimo ao entrar em tantos e tantos blogs com conteúdo semelhante (para não dizer igual). Qual a graça de se fazer mais do mesmo?

É interessante observar que nos tempos modernos ser blogueiro é uma profissão séria. Pessoas investem realmente nisso. Há alguns anos atrás apenas nerds e pessoas desocupadas blogavam. Nada muito sério. Não era essa febre toda que é hoje. Na minha concepção aparenta que as pessoas querem cada vez mais aparecer. É a nova forma de se tornar famoso. Não digo que estejam erradas, até porque antigamente só quem aparecia na televisão se tornava famoso. Já hoje os papéis meio que se invertem um pouco. Saem de mídias como a internet para televisão. 

Querer se tornar "famoso" parece ser uma preocupação fundamental para criação e publicação de conteúdo na internet. Escrever surge como segundo plano. É interessante que todos querem ser ouvidos sem dar ouvidos ao que os demais dizem. É o famoso "comenta no meu blog" e só. Ninguém está de fato interessado em trocar ideias e ler o que você tem para dizer. Não só parece como é algo egocêntrico. Às vezes visito alguns blogs, mas não me dou o trabalho de fazer comentários chulos dessa natureza porque simplesmente o conteúdo não me agrada ou não faz parte da minha personalidade.

Os blogs de hoje tem assumido uma função bem mais versátil. Alguns são até novos fotologs porque só se vêem fotos. Textos, quase nunca. É claro que este texto é apenas uma constatação. Não tenho a intenção de mudar pensamento e comportamento de ninguém. Mas espero encontrar por aí blogs interessantes que valham a pena se dedicar alguns minutinhos para comentar. 

09 agosto 2014

Um vício: Tênis de corrida

Não sei se todos os corredores são assim como eu, mas não posso passar na frente de uma loja de artigos esportivos que logo fico de olho nos lançamentos de tênis. Às vezes nem por estar pensando em comprar um, mas porque acho lindo tantos modelos, marcas e cores diferentes. Algumas pessoas não gostam muito dos tênis de corrida porque são "coloridos". A verdade é que eu os adoro também porque são coloridos. Fico apaixonada com algumas combinações que vejo. Dá vontade de levar tudo para casa, só que o dinheiro não é infinito, né?

Já testei algumas marcas tais como Adidas, Saucony, Asics, New Balance e Mizuno. São todas ótimas. Tenho minhas preferências o que não vem ao caso agora (noutro momento posto os meus colegas aqui). Um ponto muito importante é que não se deve comprar tênis de corrida apenas pela aparência (pelo menos nisso sou ciente). Imagino que todos os infiltrados no mundo da corrida devam saber disso. Afinal, há tipos e tipos de tênis para pessoas com diferentes pisadas. (Para saber mais sobre tipos de pisada, dá uma olhada no google, há testes que ajudam a descobrir...)

Mas excluindo o fator pisada e pensando apenas na parte estética, tem alguns modelos que sejam recomendados (ou não) para eu correr, acho lindos!

Mizuno Prophecy 3 - Novo modelo da linha. Belíssimo! Só não compro um desses porque o preço é salgado. Acho os modelos da Mizuno bem bonitos.








07 agosto 2014

Confusão

Chego aqui com um turbilhão de pensamentos. Alguns deles tão ridículos para serem mencionados. Outros se encadeiam em uma longa história. Falta-me ânimo para resumi-la. Todo dia é a mesma coisa. Sento-me de frente para o notebook com o anseio de contar algo, mas nada sai. É uma frustrante luta interna sobre o que eu poderia ou gostaria de dizer. Quando desisto logo procuro algo para substituir o meu anseio de escrever. Acabo esquecendo por minutos a minha real vontade. Não pareço ter assunto. Não pareço. As palavras me fogem porque o tema não há. Ou não penso nele o suficiente para as palavras saírem. É provável que sim. Assim que começo outro dia, a vontade retorna. Aos poucos ela se faz presente e pressiona meus pensamentos por algo útil. Será que consigo hoje? A vontade vem e vai como um balanço em movimento que não para no lugar. Estou certa de que preciso externalizar algo. Mas o quê? Minh'alma anseia por deixar meu corpo em palavras. Mas são tão ridículos tais pensamentos que acabo deixando-os pra trás novamente. 

25 junho 2014

A Bela e a Fera


Acabei de rever o filme (desenho) clássico da Disney "The Beauty and the Beast" depois de muitos anos. Acho que a última vez que o vi ainda era criança, tanto que muitas cenas eu nem recordava. Mas, uma coisa muito legal que eu percebi em relação a este filme são as mensagens que ele transmite. Mensagens que quando somos crianças não é tão simples de perceber. 

Por exemplo, todos sabemos que a Bela é apaixonada por livros, certo? Entretanto, as músicas retratam algo além disso. A discriminação que ela sofre por ser estudiosa e diferente dos outros moradores da cidade. É considerada quase que uma alienígena. 

Não menos que isso, um galã da cidade, o tal Gastom é o exemplo do homem machista. Ele deseja a todo custo casar com a Bela, mas não porque seja apaixonado por ela. O interesse dele parece ser somente o da conquista difícil. Fica muito claro que ao casar com ele, a Bela se tornaria uma dona de casa. 


É uma crítica até engraçada aos machões bombadinhos, a meu ver.

Agora uma das mensagens mais bonitas e, possivelmente, a principal é enxergar as pessoas além das aparências. A Fera nada atraente consegue conquistar o coração da Bela. É claro que não foi tarefa fácil também domá-lo. Ambos com temperamento difícil precisaram ceder para conviver pacificamente. Assim, aos poucos foram se aproximando de maneira cada vez mais doce e amigável a ponto de se apaixonarem.

A temática desse filme aparentemente infantil é muito bonita. É uma das poucas princesas que não se apaixonou a primeira vista e que possui uma visão mais crítica do mundo em que vive. Também não é representada como uma dama indefesa e pelo que tudo mostra ela foi quem salvou a Fera do seu destino solitário.


Palmas para Bela! :)


22 junho 2014

Blogs X Vlogs

Olá caros leitores!

Hoje resolvi trazer para a discussão um comparativo entre blogs e vlogs. Para os que não estão familiarizados com os nomes (o que eu acho um tanto difícil), vou diferenciá-los para vocês. Blogs são plataformas utilizadas basicamente para divulgação de ideias através da escrita. Aí você encontra alguns sites de hospedagem gratuita como o Wordpress e o Blogger. Ou então você próprio pode criar um domínio e custear a hospedagem. Isso fica a critério de cada um. Já os vlogs são mais recentes (talvez nem tanto assim), e utilizam como meio de propagação de ideias os vídeos. Como muitos de vocês devem conhecer, no Youtube há vários deles.

Entre as duas maneiras de expressão eu particularmente fico com a primeira. Principalmente porque a escrita é o meio de expressão que me deixa mais confortável. Eu adoro escrever. Às vezes mesmo sem a expectativa de que alguém possa ler e trocar ideias. Como eu me sinto bem me comunicando desta forma, há momentos em que o simples ato de escrever me ajuda a espairecer. Acredito que eu ainda mantenha o blog (de fato) pela necessidade de escrever, mais do que qualquer coisa. 

Agora eu hei de concordar que os vlogs sejam muito mais disseminados pela facilidade e rapidez com que você pode obter a mesma informação. As pessoas raramente param para ler um post, ainda mais se o mesmo estiver grande. Podemos facilmente observar isso com a popularização do Twitter. Afinal, para quê mesmo mais do que cento e quarenta caracteres para dizer algo? Eu mesma tenho uma conta, mas pouco utilizo. Quanto aos vlogs... não sou muito boa com público (tímida) e acho que não teria carisma para criar um vlog. Mas acompanho alguns.

Enfim! As duas formas de disseminar ideias são úteis, embora o alcance possa ser diferenciado. Comparo o mesmo com "ler um livro" ou "assistir um filme". Qual dos dois é mais "fácil"? Pois é!

20 junho 2014

Chico Buarque 7.0

 
Hoje o cantor e compositor Chico Buarque completa mais um ano de vida. Recordo-me a época em que suas canções mais tocavam o fundo de minh'alma. Era um momento bastante vívido. Não conseguia ouvir "Valsa brasileira" sem acompanhar a melancolia apresentada na música. É o tipo de música que invade o coração. E o que falar de "Futuros amantes"? Tantas recordações e promessas perdidas. São várias músicas lindas que ao longo da carreira o cantor nos foi presenteando que é até difícil de escolher uma preferida. Hoje escuto Chico, mas a intensidade não é mais a mesma. A música penetra os ouvidos sem fazer aquele estrago e os batimentos deleitam-se em calmaria. A vida anda tranquila. O passo anda lento e as estrelas são detalhes de uma rotina.

Parabéns Chico!

16 junho 2014

De volta com novo layout

Cá estou eu postando! Resolvi dar uma variada no layout e eu acho que este ficou muito bom. Bem clean. Encontrei o modelo no BTemplates. Estou pensando em fazer um meu personalizado, mas ainda não parei para refletir sobre uma ideia que fique legal. Aí a alternativa mais fácil (no momento) é buscar layouts prontos. Por sinal, no site indicado tem vários e um mais bonito que o outro. Para quem não quer pagar por um layout, não tem tempo ou não sabe fazer, vale a pena dar uma conferida lá.


Bom, caros leitores, decidi retornar com as atividades por aqui por um motivo forte: eu adoro escrever. Às vezes sinto que é a maneira como eu posso aliviar alguns turbilhões de pensamentos que não sossegam. Também estou com um tempo livre (por enquanto). Espero que eu continue dando as caras por aqui. Na realidade, eu sempre volto. Não tenho coragem de excluir esse blog. Não foi o primeiro que criei (certamente), mas foi o único que durou tanto tempo. Ainda que eu não seja muito frequente em determinados períodos.

O conteúdo do blog, por ser pessoal, é um tanto diversificado. Basicamente é o meu espaço para tratar de interesses que possuo, tais como cinema, livros, corrida de rua, desenhos, física (embora eu fale muito pouco sobre a minha formação), e o que mais aparecer. Em alguns momentos também posto sobre textos de minha autoria. Meus desenhos são um pouco escassos por aqui, pois possuo uma página no facebook e para quem tiver vontade de conhecer o link é: Natália Menezes.

Para um post de retorno acho que está de bom tamanho. Devo voltar com textos mais interessantes nos próximos dias (assim espero).

:)

30 março 2014

Até logo, Belém.

Estou a uma semana de ir embora da cidade em que passei a maior parte da minha vida: Belém do Pará. Nela fiz amigos, graduei-me, resolvi fazer mestrado, mas agora é hora de partir. É o momento de enxergar fora da caixa, de ampliar os horizontes e de despertar novos sonhos. Deixarei tantas e tantas lembranças para trás. Todas as experiências que tive levarei comigo aonde for. Todas as pessoas que marcaram serão sempre lembradas com carinho. 

Não sou muito boa com despedidas. Mas precisava registrar essa mudança. Talvez fazer uma retrospectiva não seja a melhor das alternativas, já que há muita memória envolvida no processo. São quase catorze anos de vivência na cidade, desde 2000 até 2014 (mais da metade da minha vida, para ser sincera). Quem sabe eu volto para visitar?!

Acredito que o momento pede essa mudança e que será fundamental para o que virá. As coisas acontecem como devem acontecer...

26 março 2014

Mestrado: mission completed

Após dois meses longe do blog resolvi voltar. Pelo menos para deixar registrado minha última conquista. Nesta última segunda-feira, dia 24, defendi minha dissertação de mestrado. Lá se foram dois anos de muitos acontecimentos. É incrível como as coisas mudam. Lembro-me ainda do dia da prova para ingressar na pós-graduação, do resultado, das primeiras aulas, de toda aquela motivação pela pesquisa científica. Em dois anos eu mudei bastante. Muito mesmo. Não tenho a intenção de escrever muita coisa. Apenas isso: Eu consegui! E que venham os próximos desafios!

29 janeiro 2014

Um ano

Ela acordou com uma sensação de responsabilidade. Percebeu que tinha completado um ano de namoro. Um ano que pareceu ter passado rápido aos seus olhos, mas que lhe trouxe demasiadas mudanças positivas. Um ano numa relação estável, e muito importante citar: saudável (como seu amigo já havia mencionado). Olhava para um ano atrás lembrando do desespero que sentia quando finalmente decidiu virar a página. Mas, mesmo com uma aperto no coração, ela virou. Muitas vezes sentiu-se perdida em pensamentos, com muitos medos, medos de muitos planos. Mas ele estava lá de mãos postas, e mesmo sem querer estar, ficou. Ficou um mês, dois meses, três... quatro, cinco, seis... e continuou ficando. Oferecendo ombros e ouvidos, ele quis ficar. Sabia no fundo que ela precisava de ajuda, e de coração quis ajudar. Os primeiros seis, sete meses foram um misto de querer e não querer estar. Embora esta dualidade existisse os momentos que propiciaram uma separação foram anulados, ora por um, ora por outro. O motivo não fazia, como não fez diferença. O que significou foi o continuar. Assim, continuaram.

Ela acordou, ele estava lá, e sempre esteve, mesmo quando ela não queria que estivesse. Ele estava lá. Estava lá quando ela caía em choro denso, quando ela não sabia o que fazer. E o mais importante, nunca negou sua presença, nunca deixou de responder aos chamados dela e nunca a quis fazer chorar. E se fosse possível evitar, ele o teria feito. Ela sabia disso. E mesmo com a cabeça afetada pela carga emocional que trazia consigo do passado, ela sabia que ele gostava dela genuinamente. Doía pensar que poderia machucá-lo, pois quem já amou sabe o quanto doí o sofrimento.

O relacionamento deles era tão improvável que quando começaram a namorar causaram grande espanto a todos. Surpreenderam aos outros e a si mesmos. Os dois eram tão parecidos, e ao mesmo tempo tão diferentes. Tinham gostos semelhantes por filmes, séries e alguns livros. Tiveram a oportunidade de descobrir em um ano o que cada um gostava. E foram apreciando a presença um do outro.

Arrisco-me a dizer que ele possa tê-la ajudado a encontrar em si um sentido para sua própria existência. Mas somente ela e o tempo poderiam confirmar. 

27 janeiro 2014

Let me go - Avril Lavigne


I'm breaking free from these memories
Gotta let it go, just let it go
I've said goodbye set it all on fire
Gotta let it go, just let it go

18 janeiro 2014

Livro: Mahabharata

Terminei a leitura do livro Mahabharata de Krishna Dharma. Confesso que quando ouvi pela primeira vez falar do livro pensei que fosse uma leitura difícil e cansativa, entretanto me enganei. Li os dois primeiros capítulos na própria livraria e logo resolvi comprar. Um grande motivo pelo qual influenciou a minha busca por tal tipo de literatura foi quebrar alguns preconceitos. Acredito que há dois tipos de pessoas: as religiosas e as não-religiosas. Seus motivos podem ser os variados. Encontrava-me, ou ainda encontro-me, no segundo grupo. Porém uma curiosidade despertou-me para pelo menos buscar conhecer o que dizem as diversas religiões. Afinal, assim como muitos dos que se dizem não-religiosos, não havia procurado com afinco até então entender ou saber o que de fato tais conhecimentos dizem. Não irei me prender a comentários sobre pessoas religiosas ou religiosidade, pois o objetivo deste post em específico é comentar um pouco do que li no Mahabharata e o que julguei interessante ou importante, embora eu não vá me prender a tantas informações para não se tornar desgastante. Já que para o leitor interessado lê-lo seria bem mais útil. 

Como comentei num dos primeiros post deste ano, o Mahabharata trata-se de um épico religioso da literatura antiga da Índia. Por meio de histórias de reis, religioso, deuses, o livro transfere ideais e ensinamentos bastante interessantes e no mínimo dignos de atenção. A história começa com um rei, Pandu, que afastou-se da cidade em que reinava, Hastinapura, devido a uma maldição. Pandu teve cinco filhos (de criação, pois devido a maldição não poderiam tê-los) que em ordem de nascimento são: Iudístira, Bima, Arjuna e os gêmeos Nákula e Sahadeva. Esses cinco filhos eram homens abençoados cujos pais são na realidade deuses: Darma (deus da religião), Vayu (deus dos ventos), Indra (rei dos deuses) e Aswins (deuses gêmeos, médicos celestiais), respectivamente.

A história toda retrata cenas de intrigas dentro de uma família, entre os filhos dos deuses, chamados de pândavas, e os seus primos - filhos do irmão de seu pai (Pandu), Ditrarastra - os kurus, em especial o mais ganancioso, invejoso e egoísta, Duriódhana. Em poucas palavras, Duriódhana passa a história toda competindo com os primos, pandâvas, desejando suas desgraças. Em contrapartida, consequências são esperadas, pois atitudes desvirtuosas levam a miséria, sofrimento e morte.

Uma das minhas citações preferidas do livro que deixo como reflexão (ou não) é:
"A coisa mais maravilhosa (que existe) é que, embora todos os dias inúmeras pessoas viajem para morte, o homem sempre pensa que não morrerá."

Para quem tiver se interessado, comprei a obra na Livraria Cultura.

16 janeiro 2014

Ordinary Love


Ordinary Love é o nome do novo single do U2 para trilha sonora "Mandela: Long Walk To Freedom". Fiquei fascinada pela música, melodia, desde a primeira vez em que ouvi. Busquei várias vezes em diferentes fontes (as quais não citarei aqui por questões óbvias) para fazer o download da música e até que enfim, hoje, consegui encontrar um meio ativo. Estou feliz e ansiosa pelo lançamento do próximo álbum (da minha banda preferida) que segundo a matéria divulgada no U2BR.com deve ser em Junho deste ano. Quem estiver interessado em ouvir a música pode encontrar o vídeo no youtube (Ordinary Love - U2). Uma coisa eu posso afirmar com certeza: A música é viciante!

15 janeiro 2014

O que há?

Chega um dia em que nossos sentidos se desligam e começamos a viver por inércia. Um dia em que não sabemos definir o que há de errado ou que não tenhamos coragem de enfrentar a realidade. Tudo, ao mesmo tempo, parece tão confortável e sem sentido. Uma sensação boa invade, anima, faz sorrir. Outra nos suga a empolgação, queima a pele e perfura o coração. Nos contentamos em viver de máscaras, passeando pelo tempo em busca de nós mesmo, e quando cansamos simplesmente deixamos "pra lá". O que há de tão errado nas belas flores de pétalas tão vivas e coloridas que não tem cheiro algum? O que há de errado no mar que se desmancha na areia da praia sem fazer som algum? O que há de errado no chocolate que gruda no céu da boca sem trazer o doce? O que há? Perdemos muito na vida. Perdemos principalmente a felicidade de nós mesmos. Saímos em busca de respostas a perguntas que não queremos nos fazer. É difícil conceber verdades. Ainda mais quando estas verdades nos fazem perder. Mas sem concebê-las acabamos nos perdendo de nós mesmos.

10 janeiro 2014

Livros para ler em 2014

Boa noite, caros leitores!

Resolvi hoje falar um pouco sobre livros e leituras que pretendo realizar neste ano. Vi a tag "12 livros para ler em 2014" amplamente difundida por vários vlogs literários e achei que seria uma boa postar algo sobre. Levando em consideração que não possuo vlog algum, cá estou. Aliás, este post se torna muito especial neste momento, pois voltei a dedicar um tempo a leituras diferentes das da academia (lê-se universidade - algumas pessoas poderiam confundir, sei lá...). 
Então, sem mais rodeios, minhas pretensões de leituras para este ano são as seguintes:

O Silmarillion - J. R. R. Tolkien
Iniciei a leitura de O Silmarillion ano passado, mas pela densidade de informações acabei pausando várias vezes de tal forma que não consegui concluí-lo ainda, embora este seja um livro fantástico que conta a origem da Terra-Média e de seus povos. Seria a origem do mundo, a mitologia e outras histórias que antecedem O Senhor dos Anéis e O Hobbit. 

Coleção Jogos Vorazes - Suzanne Collins
Este é um livro, ou melhor, coleção de livros que desde que assisti o primeiro filme tive a intenção de procurar por mais informações com a leitura. Entretanto, ainda não comprei os livros. Dei uma lida rápida em algumas páginas do primeiro capítulo na internet e achei a escrita bastante atraente. Decidi até que não assistiria o segundo filme sem antes ler os livros. E isto também vale para o terceiro filme que tem previsão de estréia para este ano. São três livros.

Mahabharata - Krishna Dharma
Estou atualmente lendo em paralelo com outro livro. Este é um livro o qual pretendo escrever uma resenha ou alguma coisa semelhante após o término da leitura. Trata-se de um épico religioso da literatura antiga da Índia, considerado um clássico. A leitura também é muito agradável.

Regras para direção do espírito - René Descartes
Após a leitura de O Discurso sobre o Método do mesmo autor, resolvi buscar mais conhecimento escrito deixado por ele. Como são livros de "estudo", não propriamente uma literatura de entretenimento, a leitura é um pouco mais delicada e leva bastante a reflexão. Também pretendo escrever sobre o autor em algum momento. É o livro que estou lendo atualmente junto com o Mahabharata.

Auto-biografia científica - Max Planck
Outro livro que pretendo ler e que parece-me bastante útil (mesmo que em termos de informação) como estudante de pós-graduação em física.

A culpa é das estrelas - John Green
Ouvi falar muito bem do livro e do autor. Li a sinopse, soa um tanto dramático, mas estou curiosa para conferir se é tudo isso que dizem que é. 

Box Sherlock Holmes - Arthur Conan Doyle
Coleção composta por todos os 56 contos em 5 livros. Li todos os romances, mas sou muito fã do personagem e é um tanto ruim achar em pockets todos os contos (sem repetições). Primeiro preciso da edição de colecionador, rs. 

Algum livro do Stephen King. Não decidi que título ainda, mas dos filmes que assisti baseados nos livros do autor gostei de todos. Achei muito bom a trama de terror psicológico. Não sei se todas as histórias são assim, mas também devo dar uma conferida em pelo menos um dos títulos este ano.

Por último, como ainda não sei título e muito menos autor, pretendo ler algum livro referente ao Judaísmo. Como podem perceber, estou lendo um livro associado a religião do Hinduísmo e há poucos dias terminei um referente ao Budismo Tibetano. Posso dizer que estou numa fase de ampliação da mente (ou tentando pelo menos) quebrando alguns preconceitos que tenho/tinha sobre religião. Vou provavelmente deixar o Cristianismo no final dessa lista pois é aí que o preconceito é mais enraizado. Minha motivação parte de uma curiosidade em saber o que cada uma delas diz a respeito da vida e da morte, e outros aspectos. 

Resolvi não numerá-las para não deixar a impressão de que seguiram tal sequência, mas se contarem são ao todo mais do que 12 livros (mais de uma unidade cada coleção). Intencionava postar 12 somente, mas como tem coleções e há livros os quais ainda não decidi sobre, está satisfatório desta maneira. Anseio ler outros também que não estão destacados, mas a fim de seguir o "desafio" da tag postei somente estes em destaque. Se até o final do ano eu conseguir completar este desafio, ficarei muito contente. Vamos nessa!

06 janeiro 2014

Dois mil e catorze!

Enfim, mais um ano começa. Como disse no post anterior: "Estou de volta!". Desta vez espero ficar por aqui por bastante tempo. Fico feliz por não ter desistido deste blog quando inventei de comprar uma hospedagem que acabou nem vingando. Dava um pouco mais de trabalho para postar e eu quase não tinha vontade de fazê-lo. Mas aqui no blog é diferente. Parece que como o tenho há bastante tempo, isso me inspira a escrever. Portanto, cá estou. 
Então, dois mil e catorze. Mudei o layout do blog para "reanimar" as coisas por aqui. Agora já estou com 23 anos, e muita coisa mudou. Às vezes me pego revendo posts antigos e não reconheço muitos dos textos que fiz. Isso é bom. Afinal, como dizia aquela famosa música daquele famoso cantor... "Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante".
Tenho algumas novidades. Aliás, tenho muitas novidades se for contar desde meu último real post por aqui. Não sei se neste ponto é uma boa ideia fazer uma retrospectiva de quase dois anos (um ano e meio para ser mais precisa). Talvez seja melhor mesmo começar por dois mil e catorze. Daí como as coisas forem surgindo, e a medida que for necessário, posso rever momentos passados. 
Por hoje eu fico só com isso. O suficiente para mim.
Até breve (quem quer que leia isto).

De dentro

Erupção... ERUPÇÃO erupção, erupção, erupção explosão Explosão... de dentro atravessa a pele mancha, mancha, mancha manifestação ...